agosto 28, 2010

Correntes do amor?


Essa foi a manchete do jornal que me estarreceu ao ligar a TV. Já tinha visto um caso parecido antes mas parei para refletir na mensagem dessa vez. Uma mãe que resolveu acorrentar seu filho para que este não se envolvesse com o tráfico de drogas, por amor. Fiquei refletindo até que ponto estamos chegando nesses terríveis dias de hoje, a ter que cometer essa atrocidade. Não estou defendendo ninguém, primeiramente porque não tenho filhos, muito menos envolvidos com drogas. Mas, nada impede que meus pensamentos divaguem a essa questão, principalmente no tocante à uma atitude desse tipo. Estaria a mãe certa em sua posição? Será que acorrentar um filho, seria de fato, uma prova de amor ao impedí-lo de avançar e exaurir suas forças cheirando crack?

É lamentável o quanto o índice de envolvimento de jovens utilizando drogas tem se alastrado por nosso mundo. Mas até que ponto o ser humano pode cercear a liberdade de outro usando "correntes de amor"?

Sinceramente não sei. Apenas estou convencido de que estamos perecendo...

Por: Hugo Otávio
Data: 28/08/2010

3 comentários:

Mente Hiperativa disse...

Sem querer descaracterizar o amor que essa mãe tem pelo seu filho, mas isso não foi um ato de amor, foi um ato de DESESPERO.

Assim como um suícida que tira a própria vida (ele não quer morrer, só quer matar o sofrimento que carrega diariamente no peito); essa mãe não quer maltratar o próprio filho,não quer acorrentá-lo mas sim acorrentar esse desejo louco, vício que destrói sua vida debaixo da vista da mãe, que não consegue fazer muita coisa.

É triste, é angustiante imaginar a situação.

Mônica Modesto disse...

É muito triste essa realidade das drogas porém tem se tornado crescente a aproximação das pessoa a elas! Nesse caso devemos escolher qual atitude será menos prejudicial a quem amamos....

Ricarda disse...

O amor não pensa, ele não sabe oque esta fazendo , pela a mãe do filho o amor gritou mais alto e fez com que ela não quiesse que seu filho tivesse aquela vida, então resolveu da seu jeito, o amor ele é algo que não pensa em consequecias e sim só no bem do amado!