janeiro 31, 2010

Viajando...

A maioria pensa com a sensibilidade, eu sinto com o pensamento. Para o homem vulgar, sentir é viver e pensar é saber viver. Para mim, pensar é viver e sentir não é mais que o alimento de pensar.
Fernando Pessoa

Um pequena grande princesa

No finalzinho do ano de 2009 o mundo recebeu, querendo ou não, sabendo ou não... o nascimento de uma pequena garotinha. Algo em sua expressão chamava muita atenção... e como! 

Seus grandes olhos demarcavam território, vasculhando o que estava em seu redor, além de ser sua marca registrada. A princesinha, Bruninha, agora faz parte desse imenso universo e já começou sua trajetória de vida, campeã.

Isso porque não foi nada fácil vencer a corrida de bilhões de espermatozóides em busca da fecundação... uns eram rápidos demais; outros, lentos e atrapalhavam aquele que seria único, capaz de adentrar e vencer as barreiras "da vida", antes mesmo sequer de nascer. 

Pois é... e ela nasceu... inspirou profundamente até que seus pequenos pulmões começassem a realizar o trabalho da respiração, agora não mais dependente diretamente de sua querida mãe. 

Um novo ambiente, uma nova sensação...um novo salto para uma nova realidade, repleta de desafios e grandes lutas pela sobrevivência!

E assim, continua a jornada de Bruninha...

Buscando ver, tocar, sentir, abraçar a vida com todo vapor...
Com o tempo ela será uma grande princesa, capaz de andar pelos corredores do seu próprio castelo.
Para isso, nada melhor do que ter a atenção de seus queridos pais e avós, além do amor e cuidado para uma bela garota a qual um dia, espero ter a oportunidade de revê-la, dar muitas gargalhadas e lembrar dos tempos que a pude carregar em meus braços!

Parabéns Bruninha!
Parabéns Marlon e Patrícia por essa pequena grande princesa!

de: Hugo Otávio
data: 31-01-2010

janeiro 30, 2010

"Um dia, um momento é agora."



Passei um bom tempo me curando das feridas abertas pela vida.
Tentando cicatrizar o que há muito doía
E o que eu menos queria era ficar em um ambiente cheio de recordações...
Apaguei tudo aquilo que podia que fazia lembrar-me...

A cada dia o luto me atordoava mais...

Mas à medida que me machucava também me fortalecia.
Dois contrastes, duas causas, um objetivo... 
Errei... e como errei...
Tentando desesperadamente não sentir o que eu sentia...
Machuquei outras pessoas...
Esperando em vão o amanhecer...
Onde, na minha mente, seria a solução.
Afinal, nada como o amanhã para libertar o que tanto estava preso...

O tempo passou...

Os sentimentos foram mudando pouco a pouco.
As cicatrizes fechando...
E o recomeço estava por vir.
Paciência era o que eu precisava...

Paciência para encarar a vida de cabeça erguida.
Coragem para enfrentar os obstáculos que ainda iriam surgir.
E sabedoria para mudar...

Mas ainda não havia chegado à hora.

E mais um tempo passou...
Até que eu sonhei novamente...
Sonhei com um alguém que me fez sorri...
Que encheu meu coração de esperanças...
Que trouxe vida ao meu ser.

Então compreendi que o momento certo tinha finalmente chegado.

E que era hora de ser "feliz".
Transformando o dia, o momento... 
no agora.

E quando eu acordei...

Descobri que o meu amanhecer era não mais um sonho bom...
Enfim,
Agora, realidade...




Adaptado de: 
http://pattycrispa.blogspot.com/2010/01/um-dia-um-momento-e-agora.html

janeiro 29, 2010

Um amor para sempre: Shakespeare Apaixonado



"Uma mulher mais bela do que a minha amada! O sol, que tudo vê, nunca viu outra semelhante desde a aurora dos tempos! 
Era de Julieta que Romeu falava? 
Não: de Rosalina. 
Algumas horas mais tarde, no entanto, assim ele exalta o objeto de seu desejo: Porventura meu coração amou até agora? 
Jurai que não, meus olhos!
Porque até esta noite jamais conheci a verdadeira beleza.
Essa é Rosalina? 
Não: Julieta. 
Ele acabava de conhecê-la."


No filme Shakespeare Apaixonado desenvolvem-se dois enredos paralelos: a história de Shakespeare se apaixonando e, nesse amor, encontrando inspiração para descrever o amor de Romeu e Julieta.

Viola ama tanto o teatro que se disfarça de rapaz para conseguir fazer um papel na peça de William. Vale lembrar que, nessa época, denominada com justiça Era Elisabetana , o teatro constituía uma atraente diversão para o povo em geral - mas representar era algo totalmente proibido às mulheres, sendo os papéis femininos interpretados por rapazes travestidos de mulher. 
 
Mais que musa e amada de Will, Viola é uma personagem paralela à da rainha Elisabeth, havendo vários pontos comuns entre as elas: a renúncia ao amor em nome do dever e da posição social, a paixão e o devotamento ao Teatro - e o desempenho de trabalhos masculinos: a rainha, dando ao reino britânico a hegemonia que este nunca tivera antes; Viola, salvando simbolicamente o Teatro e a Arte, pois, ao representar o papel de Romeu, torna possível a apresentação da peça naquele momento. As duas: mulheres à frente de seu tempo - cultas, inteligentes, arrojadas. Madden coloca na boca de Elisabeth as palavras: Eu sei o que significa para uma mulher exercer a tarefa de um homem. 
 
Essas afinidades explicam porque a rainha protege a jovem Viola que transgredira um tabu ao subir no palco e representar um papel. Ironicamente, ela representa o papel de Romeu, enquanto um jovem rapaz representa Julieta.  O final do filme remete a outra peça de Shakespeare, uma comédia, em que a personagem principal é uma jovem chamada... Viola - a qual, depois de salvar-se de um naufrágio, caminha por uma imensa praia, assim como a amada de Will, em um navio, se encaminhava em direção ao Novo Mundo.

Bem, apesar do filme representar um romance ardente e, de certa forma quase utópico nos dias atuais, é perceptível uma análise sobre as aventuras de vivenciar um grande amor, explorando e valorizando os pequenos sentimentos, gestos, palavras e... poesia! Como a poesia é impregnada nos atos dos personagens... o lirismo aflora, dando cabimento ao expectador de adentrar no mundo assistido. Às vezes, o romance nos torna mais sensíveis à uma percepção bela da vida: contemplar as pequenas coisas, fato este que tem se distanciado a cada dia que passa no nosso mundo.
Portanto, aconselho a você assistir ao filme: SHAKESPEARE APAIXONADO e saborear um pouco de um grande amor que lutou até o fim, mas não permitiu que as circunstâncias que se impunham, fizessem naufragar a chama que havia entre Romeu e Julieta.

Por: Hugo Otávio
Data: 27-01-2010

LIVRO:

janeiro 28, 2010

Um barulho ensurdecedor





Quisera eu saber a razão de gritarmos tanto...
Sim, isso mesmo...
Gritarmos com alguém que se encontra tão próximos a nós.
Será que estamos ficando a cada dia mais surdos?
Ou estamos nos fazendo de?
A cada dia que passa percebo a escassez das doces palavras
Dando lugar ao forte temperamento, rudes e amargos sons
Sons estes que permeiam e preenchem os corações
Nossos...
Tornando o ambiente ainda mais barulhento...
Ensurdecedor...
Enlouquecedor...
Revelando o quanto, mesmo próximos,
Gritamos...
Por estarmos...
Tão friamente...
Distantes...


Por: Hugo Otávio
Data: 28-01-2010

[POESIA] Valsa vida






Minha vida não foi um romance...
Nunca tive até hoje tantos segredos.
Se me amas, não digas, que morro
De surpresa... de encanto... de medo...

Minha vida não foi um romance
Minha vida passou... deixando cicatrizes no interior...
Se não amas, não finjas, que vivo
Esperando um amor para amar.

Minha vida não foi um romance...
Pobre vida... passou sem enredo...
Glória a ti que me enches a vida
De surpresa, de encanto, de medo!

Minha vida não foi um romance...
Ai de mim... Já se ia acabar!
Pobre vida que toda depende
De um sorriso... de um gesto... um olhar...



[adaptada]

[HUMOR] Tipos de Assalto


ASSALTANTE BAIANO
Ô meu rei... ( pausa )
Isso é um assalto... ( longa pausa )
Levanta os braços, mas não se avexe não..( outra pausa )
Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado ..
Vai passando a grana, bem devagarinho ( pausa pra pausa )
Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado.
Não esquenta, meu irmãozinho, ( pausa )
Vou deixar teus documentos na encruzilhada .

ASSALTANTE MINEIRO
Ô sô, prestenção
issé um assarto, uai.
Levantus braço e fica ketin quié mió procê.
Esse trem na minha mão tá chein de bala...
Mió passá logo os trocados que eu num tô bão hoje.
Vai andando, uai ! Tá esperando o quê, sô?!


ASSAL TANTE CARIOCA
Aí, perdeu, mermão
Seguiiiinnte, bicho
Tu te fu. Isso é um assalto .
Passa a grana e levanta os braços rapá .
Não fica de caô que eu te passo o cerol.... 
Vai andando e se olhar pra tras vira presunto


ASSALTANTE PAULISTA
Pôrra, meu...
Isso é um assalto, meu
Alevanta os braços, meu..
Passa a grana logo, meu
Mais rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra
comprar o ingresso do jogo do Corintian, meu.. Pô, se manda, meu


ASSALTANTE GAÚCHO 
O gurí, ficas atento
Báh, isso é um assalto
Levanta os braços e te aquieta, tchê !
Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê..
Passa as pilas prá cá ! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro
fala.

ASSALTANTE CEARENSE
Ei Macho, isso é um assalto!
Deixe de marmota, arriba os braços, não se bula nem faça mungango.
Bora logo abestado, me dê logo a céda que eu sei que tu ta estribado.
E num bote boneco não, senão eu papoco uma mãozada no teu pé-do-ouvido!
Arriégua, só isso! Penseeeee num fi-duma-égua liso!
Agora vai, vai, vai timboooora carniça. Pega o beco, pega o beco! 

ASSALTANTE DE BRASILIA
 Querido povo brasileiro, estou aqui no horário nobre da TV para dizer que
 no final do mês, aumentaremos as seguintes tarifas: Energia, Água, Esgoto, 
Gás, Passagem de ônibus, Imposto de renda, Lincenciamento de veículos,
 Seguro Obrigatório, Gasolina, Álcool, IPTU, IPVA, IPI, ICMS, PIS,
COFINS...

janeiro 27, 2010

Paciência com elas...



Quase sempre tenho a oportunidade de sair com minha mãe, irmã, tia... enfim, mulheres... para que elas façam suas compras, seja no shopping ou qualquer tipo de loja. Não sou uma pessoa paciente demais nem muito estressado, acredito que há limite para tudo. E lá vamos nós... Começa em uma loja, vê uma promoção... e passa 15min, 25min... 30min... e a paciência vai se acabando... no final do dia, as forças se acabam e a paciência também! Mas, pensando um pouco sobre a demora, no final, vale a pena pois elas acabam ficando mais bonitas, atraentes, elegantes... Espero que o objetivo "primer" seja o do bem-estar pessoal, contudo, espero que elas não esqueçam de que, nós homens, amamos mulheres que se cuidam, seja na aparência, seja no cheiro, na espontaneidade, no olhar... enfim, é preciso ter paciência para que no final tudo saia bem... melhor!

Data: 27-01-2010
Por: Hugo Otávio

janeiro 26, 2010

Se amar fosse fácil...




Se amar fosse fácil...
Não haveria tanta gente amando mal,
Nem tanta gente mal amada.
 
Se amar fosse fácil...
Não haveria tanta fome
Nem tantas guerras
Nem gente sem sobrenome.
 
Se amar fosse fácil...
Não haveria crianças nas ruas sem ter ninguém
Nem haveria orfanatos
 
Porque as famílias serenas adotariam mais filhos
Nem filhos mal concebidos
Nem esposas mal amadas
Nem mixês, nem prostitutas.
 
E nunca ninguém negaria o que jurou num altar
Nem haveria divórcio e nem desquite, jamais...
 
Se amar fosse fácil...
Não haveria assaltantes
E as mulheres gestantes não tirariam seu feto
 
Nem haveria assassinos
Nem preços exorbitantes
Nem os que ganham demais, nem os que ganham de menos.
 
Se amar fosse fácil...
Nem soldados haveria, pois ninguém agrediria
No máximo ajudariam no combate ao cão feroz.
 
Mas o amor é um sentimento que depende de um "eu quero"
Seguido de um "eu espero"
E a vontade é rebelde,
 
O homem, um egoísta que maximiza seu "eu"
 
Por isso, o amor é difícil.
 
Jesus Cristo não brincava quando nos mandou amar.
 
E, quando morreu amando deu a suprema lição...
 
Não se ama por ser fácil,
 
Ama-se porque é preciso! 

 
Desconheço o Autor

Viajar é bom demais!



Viajar é bom demais! Sair do seu mundinho para conhecer o desconhecido proporciona prazer e desperta a curiosidade! Realmente é um modo muito bom para exterminar o estresse e aliviar as cargas que levamos durante nossas atividades. Graças ao meu bom Deus, pude vivenciar novos trilhos e novas realidades, desde o tempo que morei fora do meu estado, além das passagens que tive por aí... experiências marcantes! De fato, aconselho a cada ser humano, fugir da rotina para um bom passeio, seja com seu(sua) companheiro(a), sua família ou até mesmo sozinho... É abrir a sua mente, ter novas idéias e poder compartilhar dos seus momentos! Extraordinário!
Mas...

Apesar de toda essa bonança, apreciar bastante as viagens, não consigo passar mais de certo tempo fora da minha realidade, da minha terra, da minha casa... Aprendi que por mais que o desconhecido possa atrair minha atenção, nada consegue mudar o meu coração nem me arrancar daquilo que plantei e onde passei boa parte da minha vida.

Conselho: viaje sempre que puder! Oportunidades nem sempre aparecem ou "caem do céu" tão fácil... mas... valorize o que você tem, de onde veio e o que você é!


Data: 26-01-2010
Por: Hugo Otávio

 


janeiro 23, 2010

Andando por caminhos passados...


Hoje, no dia do meu aniversário, decidi ir na casa do Clayton, um dos meus amigos de Macaé. Acordei cedo e fui... Caminhei pois queria "respirar o ar" dos velhos tempos que passei na cidade macaense. Foi realmente interessante pois é como se passasse o filme nos meus pensamentos daquela boa época. Caminhei e fui reparando no que tinha mudado, comparando com minha experiência hoje e daquela época. Foi demais... Lembrei-me da minha tia a qual sempre caminhava comigo, indo para a igreja, me mostrando novos lugares, novas pessoas... enfim, minha companheira de todos os momentos... Pois é... Passei pelo prédio onde morei e relembrei do quanto vivenciei durante aqueles 3 anos. Estes, repletos de aventuras, momentos de angústias, momentos de alegrias... Assim como nossa vida... 
E, de repente, não mais que de repente...
Veio-me Drummond, com sua poesia, impregnada de lirismo...









Mundo mundo vasto mundo



se eu me chamasse Raimundo

seria uma rima, não seria uma solução.

Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.














E como meu coração era vasto... vasto de indagações de como seria a minha nova realidade de sair das minhas terras de origens para explorar o desconhecido, enfrentar o preconceito de ser nordestino, vivenciar uma diversidade de culturas e pessoas distintas... nada foi fácil, nada foi em vão...


Talvez, se eu não tivesse partido para essas novas terras, tudo seria diferente... e como seria...


Porém, acredito que nada é por acado nessa nossa vida... Somos agentes que moldam o caminho por onde passamos, aprendemos com o outro, adicionamos e compartilhamos um pouco de nós, de nossa essência. E assim, vamos vivendo... convivendo...





Agradeço a Deus por ter passado essa temporada em Macaé. Embora tantas vezes me questionava sobre a razão de muitos fatos, acredito que tudo cooperou para meu bem. Criei laços de amizade, aprendi e... cresci nesse pedaço de chão...
Não esquecerei jamais aquilo que foi plantado... os frutos... eles virão...
As lembranças...
Ficarão eternas... na minha mente, e acima de tudo...
Em meu coração...




Por: Hugo Otávio
Data: 23-01-2010

Reminiscências de um sonho



"As lembranças do passado aprisionam o presente,  amedrontam e
interferem no futuro, enquanto sonhamos, pensamos, agimos, vemos...

Quisera eu não acordar do meu bom sono em que a alegria transbordava pelo meu sorisso...


Liberdade!


De sonhar, viver, amar...


Quebrem-se os grilhões das incertezas! 


Do medo de tentar, do pass...


Acordei!"


Data: 22-01-2010
Por: Hugo Otávio

janeiro 22, 2010

Meu aniversário!


23 de Janeiro... Pense numa data legal! Importante pois me faz refletir sobre o quanto já percorri durante minha jornada, nessa terra. Agora é 2.3! 


É... Tô me sentindo mais velhinho, mas fazer o quê... 


Posso dizer que a cada dia aprendo um pouco mais, com as experiências que me surgem, com as pessoas que me transmitem algo ou até mesmo com as tristezas que insistem em aparecer.


No entanto, mesmo com as barreiras, posso dizer que sou feliz! Sim, e como! Sou feliz pelo fato de existir, respirar, me movimentar... 


Agradeço a Deus por mais esse dia e que muitos outros possam existir para mim!
É isso ae!


Data:
Por: Hugo Otávio

Indiferença nossa de cada dia





Grande edifícios...
Muitas diversidades...
De informações, de pessoas, de diferenças...
As avenidas?
Parecem infinitas, delineando o contorno carioca...
A riqueza floresce, restringindo e sufocando...
A dinâmica dos conglomerados, pobres, segregados...
E nós?
Estamos vivendo...
Na nossa...
Mascarando e fazendo de conta...
De que tudo está bem...
Enquanto estivermos bem..


E quando não for mais possível?
E quando a violência atingir nossa casa, família...
Me atingir...
Te atingir...


Talvez assim acordemos para contemplar a realidade
Para saber que sempre haverá algum sofrimento maior
Maior do que o meu...
Maior do que o seu...
Maior do que a...
Indiferença...
Essa nossa de cada dia...
Essa que possui mesa farta e 
Ainda reclama do que comer...


Enquanto tantos, NADA possuem...
Nada...
Nad...
Na...
N...
...


Data: 22-01-2010
Por: Hugo Otávio

janeiro 21, 2010

Êta calor... Aguenta coração!


Vivendo no apagão da humanização


Quem já não presenciou algum apagão durante determinado tempo? Aquela sensação de obscuro nos deixa aflitos e, porque não afirmar, angustiantes. Aguardamos ansiosos e atordoantes a volta da eletricidade, como se tudo se movesse por meio e intermédio dela. Ficamos estagnados, nervosos e apreensivos. "Que droga! A energia precisava acabar agora?"


Pois é... Pelo menos prestei um pouco de atenção nesse fato que vivenciei... Durante um apagão de mais de 6h de duração, pude perceber que pequenas atitudes são resgatadas pelas pessoas, estas mergulhadas nos afazeres do cotidiano ou impregnadas com a devastadora tecnologia (computadores, TV's...). Pequenas ações como um bom bate-papo, algumas simples brincadeiras as quais exigem não menos que a criatividade humana, o estar próximo, compartilhando emoções, sentimentos, calor...
Enfim, talvez se o apagão durasse tanto, não daria para suportar o calor que fazia naquele momento... Porém, contemplar o céu e perceber como estamos em um progressivo "apagão" em nossas relações com o próximo, é algo a se pensar... e agir para que ele não se expanda ainda mais!


Data: 20-01-2010
Por: Hugo Otávio

janeiro 17, 2010

Irmãos de uma mesma nação


Parei para observar o crescimento desordenado das favelas do Rio de Janeiro. Na foto ao lado encontra-se a "Favela Dona Marta". Fiquei refletindo o alastramento das diferenças sociais... É como se fossem um amontoado de habitações "grudadas" umas sobre as outras ao redor de altos edifícios, refletindo certo descaso, mas também certa autonomia. Como as pessoas olham com desdém para os moradores de lá... Esquecem que aqueles não escolheram viver daquela forma, inseridos naquele contexto. Questiono-me sobre uma frase conhecida por muitos de nós: "Temos aquilo que merecemos...". Será que é realmente um fato essa afirmativa? Será que aqueles nossos irmãos que vivem naquelas habitações, enfrentando as fortes e destruidoras chuvas, muitas vezes passando fome, possuem o que merecem? Acredito que não...
Não estou aqui tomando partido, apenas refletindo que diferenças existirão sempre, porém, o alastramento delas poderá ser reduzido se começarmos a encarar essa realidade de uma outra forma, a começar por esse preconceito entre as classes. É preciso enxergarmos esse fato que a cada dia toma conta de nós, do nosso dia-a-dia, crescendo como um conjunto vivo de casas sobre os montes, delineando o contorno carioca. É amigo(a) leitor(a)... Acredite nisso: somos todos irmãos de uma mesma nação!

Hugo Otávio
Data: 17-01-2010

janeiro 16, 2010

O Paradoxo do Nosso Tempo


Nós gastamos sem critérios, dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e ORAMOS RARAMENTE.

Multiplicamos nossos bens, mas REDUZIMOS nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. 


Aprendemos a sobreviver, mas NÃO A VIVER; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.

Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, MAS NÃO O NOSSO PRÓPRIO.


Fizemos muitas coisas maiores, mas POQUÍSSIMAS MELHORES.
Limpamos o ar, mas POLUÍMOS A ALMA; dominamos o átomo, mas NÃO O NOSSO PRECONCEITO; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.


Aprendemos a nos apressar e NÃO A ESPERAR.
Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas NOS COMUNICAMOS MENOS.


Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande DE CARÁTER PEQUENO; lucros acentuados e RELAÇÕES VAZIAS.
Essa é a era de dois empregos, VÁRIOS DIVÓRCIOS, casas chiques e LARES DESPEDAÇADOS.
 

Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e MORAL DESCARTÁVEIS, das rapidinhas, dos cérebros OCOS e das pílulas "mágicas".
Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que AMA, pois elas NÃO estarão por aqui para sempre. Por isso, VALORIZE o que você tem e as pessoas que estão ao seu lado.

(George Carlin)

Para além das nuvens...

Quem já experimentou viajar pelos céus  sabe que além da elevada altitude (tantos pés, mencionado pelo comandante), é perceptível uma falsa lentidão para quem está no interior da aeronave. Apesar de veloz (aproximadamente 800Km/h), a física tinha razão em abordar a velocidade relativa, pois a depender do referencial, o avião e você parecem estar parados. 

Pois bem... Foi nesse cruzamento de nuvens que parecem algodão doce que refleti o quanto estamos "voando" nesses dias. Pode até parecer que não mas estamos vivenciando uma realidade de curto tempo e de velozes informações. Como temos lidado com esse novo tempo? 

Aproveitando-o efetivamente? Ou estamos vivendo na era do consumismo exacerbado, carpe diem deliberado, sem escrúpulos e moderação?  Qual será o nosso legado para as futuras gerações? Apenas recheá-las de modernidade, internet ultra-rápida e bate-papos virtuais?


Se assim for caro amigo(a), estaremos comprometendo e prejudicando ainda mais o que já existe. O resgate aos valores humanos e sentimentos simples fazem necessários... e já! Negligenciar e ocupar nossas crianças de hoje com aparelhagem virtual, isentando-as de amor, carinho, presença e um bom dialogo oral, longe do mundinho virtual é alastrar o vazio do mais belo no ser humano: comunicação e convívio social... E, pasmem, hoje em fase de extinção...
As pessoas andam ocupadas demais para isso... Estão, como no avião da história, voando em altíssimas velocidades... E quando se dão conta... é tarde demais!


Data: 16/01/2010
Hugo Otávio

A prost-instituição

 
 
 
Prostitutas garantem: é um livre comércio. Os seus filhos estão no congresso. Os seus amantes nas igrejas. Seus cafetões são os melhores delegados e magistrados. Os seus melhores clientes estão nas universidades. O mundo é um prostíbulo globalizado. Legalizado! (...)

É inevitável ser estuprado todos os dias com a programação televisiva, mas os brasileiros gostam e gozam quando a novela começa. Incrível, agradecem pelo estupro dando boa a noite ao bandido, quando ele começa o terrorismo intelectual no jornal das 8.

É inevitável ser estuprado pagando impostos. Incrível, e só nesse mundo, o estuprador engravida e as pessoas ficam na fila pedindo testes de DNA. Pagamos os impostos, sem reclamar. Consentimos com dor, e esperamos meses e meses que o estuprador nos de uma pensão alimentícia - um bolsa família, que pague a educação dos nossos filhos, a saúde de seu feto.

É inevitável ser estuprado indo às igrejas. Vendem-nos a fé, e achamos normal. Já estamos acostumados a só levar, que até pagamos achando que a vida vai melhorar. Talvez assim, a população pense que o bandido pelo menos usará um creminho, camisinha. Mas a igreja veta o uso da camisinha, é meu amigo, o creminho é o sabonete santo batizado no mar Morto do Tietê com um ticket de Israel.

Todos estão contaminados com o vírus dessa DST legalizada. Não existe vacina. Um dia me disseram que o povo gosta de sofrer. A dor cura meu bem. E a humanidade caminha, pessoas doentes, vendidas, e algumas até acreditam na inocência do Lula.

Espera-se uma nova geração, mas colocam as crianças na frente da televisão assistindo o Faustão e desenhos de sexo explicito – reflexo de um mundo prostituído.

Espera-se a revolução da juventude, que escuta psy-trance em tendas armadas tomando pílulas legalizadas enquanto discutem sobre a próxima noitada.

Espera-se a revolução dos intelectuais, que se calam com medo da retaliação ou até mesmo porque sabem que suas vozes serão falácias.

Espera-se a revolução dos imortais, mas pena, eles são imortais justamente por não ter aonde cair morto.

Não sei como solucionar os problemas do mundo. Pediram-me pra cair no mundo real, pra acordar dos meus sonhos. Pronto, abri os olhos e vi o mundo assim, me desculpem, vou voltar ao meu sono.

Lá eu posso amar como se não houvesse amanhã, pois sei que se eu abrir os olhos verei que realmente não há. Vou sonhar, construir castelos no ar, navegar por grandes mares. Irei lutar contra moinhos de vento, irei conversar com Alice e as panelas falantes.

Vou orar ao Deus desconhecido que me apresente o terceiro Céu enquanto aprecio os seus belos escritos e me perco no oráculo.

E sempre quando me incomodarem a acordar. Lembrarei o prostíbulo que me espera se eu cair na real. Não obrigado, não vou salvar as putas, nem os filhos dela. Deixa-me procurar nas minhas utopias, o mundo que eu quero viver.

Jovem idealista, sonhador. Ao menos se eu sofrer nos meus sonhos, sofrerei por tentar viver o que eu quero, não relaxo e não vem pra cima de mim não. Meu spray de pimenta vem com a acidez de meu ser, o sarcasmo embutido.

Quem sabe o novo mundo está nos sonhos de jovens como eu, como você. Quem sabe, não nos encontremos em nossos sonhos e partimos em busca de um mundo novo. Você está convidado a sair desse prostíbulo filho teu, a escolha é sempre sua.


O texto completo de Paulo Câmara pode ser lido no blog TheWorldOwner.