fevereiro 15, 2011

Um grito de desespero


 Estava escaldante,
A noite parecia não passar...
O lado escuro da rua ofuscava meus pensamentos,
Emoções...
Viajava por caminhos que já havia percorrido,
Por situações já vivenciadas,
Pessoas conhecidas...
Entremeadas na minha visão...
Silenciosamente...
Um grito de desespero...
Nãoooooooooo!
De novo não!
Relutava contra o sofrimento de outrora...
Queria se separar daquelas pessoas,
Imagens que atordoavam,
Transfixavam a alma,
Apedrejavam o ser...
E quanto mais lutava, contra mim mesmo,
Menos parecia que o tempo passava...
Estático.
Era mais uma noite sombria,
Em que só se ecoava o próprio grito,
Um grito de desespero.



Por: Hugo Otávio
Data: 15/02/2011

2 comentários:

Srta. Bibliófila disse...

Que sinistro.
A foto dá medo.

Bruniele disse...

é mesmo!
assombrosamente melancólico!