julho 24, 2010

O real imaginário


"A criança que pensa em fadas e acredita nas fadas
Age como um deus doente, mas como um deus.
Porque embora afirme que existe o que não existe,
Sabe como é que as cousas existem, que é existindo,
Sabe que existir existe e não se explica,
Sabe que não há razão nenhuma para nada existir,
Sabe que ser é estar em um ponto.
Só não sabe que o pensamento não é um ponto qualquer."

Fonte: Pessoa, Fernando. Obra Poética. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1990, p. 239


2 comentários:

Mente Hiperativa disse...

Parece mais que foi um amigo meu que escreveu... aliás, um amigo nosso.

Bruniele disse...

Nossa! Que profundo...
É o máximo ser criança! perceber tudo com tanta intensidade, mas ao mesmo tempo não se ter consciência disso! Não há razão para nada, apesar de tudo ter uma razão!