maio 27, 2008

A dura versao das touradas

Um pouco da historia...

Nas touradas originais do Império Romano, os toureiros encontravam-se permanentemente a cavalo e o objectivo do espectáculo era a celebração de ocasiões assinaláveis, como casamentos reais, vitórias militares ou datas religiosas importantes.

Os primeiros registos de touradas remontam ao ano 815, ano em que em determinada ocasião política da actual Espanha foram mortos touros em homenagem ao evento. Na documentação relativa à coroação de Afonso VII, em 1135, também existem referências a touradas, em Logroño, onde vários cavaleiros famosos atestaram a sua bravura. A tourada era, portanto um entretenimento aristocrático, cuja ocorrência não era frequente e não existiam normas próprias que a definissem.

Ao longo dos séculos, as touradas passaram a fazer parte do domínio público. Durante o século XVIII, tornaram-se efectivamente um espectáculo para as massas e passaram a realizar-se espectáculos em que os toureiros combatiam a pé; a arena era invadida por bandos de homens dos mais baixos estratos sociais, que matavam touros de todas as formas imagináveis, espetando-os com espadas, punhais e facas.

Muitos destes toureiros trabalhavam em matadouros. Aliás, conforme documenta a organização britânica Fight Against Animal Cruelty in Europe (FAACE), o matadouro de Sevilha foi a primeira escola oficial de tauromaquia em Espanha. Um dos toureiros mais famosos da altura, José Rodriguez (Pepete), disse: «O que esperam que nós, criados no matadouro, sejamos? Aqui não existe cortesia (…). Nós conhecemos o pior lado possível das coisas».

As escolas de equitação da Andaluzia encorajaram e nutriram a tauromaquia para o povo. Foi a família Romero, de Ronda, quem estabeleceu os primeiros fundamentos da tourada, juntamente com Joaquin Rodriguez (Costillares) e José Delgado (Pepe Hillo), ambos de Sevilha.

Carlos IV chegou a proibir as touradas, mas a subida ao trono de Espanha de Fernando VII trouxe de novo os espectáculos, que atingiram grande popularidade. Em 1830, foi este monarca que fundou a Escola Real de Tauromaquia, em Sevilha. Esta instituição liderou um dos principais estilos da tourada, enquanto Ronda terá defendido um outro.

Aos toureiros Belmonte e Manolete tem sido atribuído o feito de terem definido o estilo da tourada moderna.
Touradas: Uma luta desigual
A organização Fight Against Animal Cruelty in Europe (FAACE) denunciou, no seu site, a manipulação de animais em touradas, referindo-se especificamente à utilização de drogas para diminuir as defesas dos touros, no sentido de dar mais segurança aos homens da arena. Numa posição já de si vulnerável, o touro tem também que superar outras dificuldades.

Desde logo, a manipulação começa na criação dos animais, cuja reprodução é monitorizada de forma a que sejam preferidos os animais mais lentos, simples e previsíveis. Mais tarde, quando vão ser utilizados em touradas, os cornos dos animais são cortados, o que implica que fiquem sem uma das suas principais defesas.

De acordo com a FAACE, a retirada dos cornos «afeta o julgamento das distâncias por parte do touro e pode criar vulnerabilidade ou dor no corno, com os óbvios efeitos que isto teria». O mais devastador efeito desta prática é a castração psicológica que representa para os touros.

De fato, a tortura por que passam os touros não começa nem acaba na arena. Antes do espectáculo são, muitas vezes, administradas drogas hipnóticas, tranquilizantes e substâncias paralisadoras. Esta prática foi denunciada, em 1988, pelo veterinário oficial da arena de Colmenor Viejo, em Madrid, Andres Martinez Carrillo.

E não são os touros os únicos animais a sofrer nas arenas. Os cavalos utilizados nos espectáculos sofrem inúmeros ferimentos e cerca de duzentos equinos morrem, todos os anos, em touradas. Não são raras as ocasiões em que os cavalos são vendados e as suas orelhas estão, muitas vezes, cheias de papel; os animais sofrem tratamentos brutais quando já estão demasiado feridos ou mesmo moribundos.

Como exemplo, a FAACE relata o esventramento de um cavalo na arena de Las Ventas, em Espanha. Enquanto o animal tentava levantar-se, um homem lançou-lhe fogo aos testículos. Este criminoso não sofreu qualquer admoestação e permaneceu empregado no mesmo posto de trabalho que ocupava aquando da agressão.
Adaptado de Cheating Practises
http://www.faace.co.uka/

Eu sinceramente passei mal durante o ¨show¨! Primeiro porque havia um senhor perto que fumava demais, tipo aqueles cigarros pesados cujo bafo nao havia como suportar! Assisti uns 30min e fui embora pois percebi que estava no local errado. Como amante e apaixonado pela vida, percebi que ainda existem pessoas que se divertem com a destruicao, violencia e morte de animais! Realmente um absurdo, ao meu ver! Talvez essa seja uma das razoes de nacoes estarem se degladiando ou pessoas infelizes sem saber o motivo desse estado, buscando assim tipos de espetaculos demasiados! Uma palavra que resume o que passei ao ver o ¨show¨: um lixo! Um desacato a vida dos touros, cavalos e ate de algumas pessoas que perderam suas vidas para ¨alegrar¨ a plateia! E ao sair de dentro, dei de cara com um ex-toro pendurado, fruto de uma diversao exacerbada! Ainda estou passando mal por isso... Ate a proxima! Nao indico esse ¨show¨ para ninguem!


Opiniao de uma pessoa da internet. Qual eh a sua? Deixe seu comentario...

Na Espanha, em Portugal e também na Bolívia, ocorre uma vergonha mundial: as touradas.
Num circo macabro com platéia sádica, touros são furados para sentir muita dor e com isso reagirem de forma agressiva e proporcionar um espetáculo de horror que deveria sem banido para sempre!

O pobre animal vê seu tormento encerrado com a morte... ali frente a uma turba inexplicavelmente feliz...

Em Portugal a lei proíbe a morte do touro, mas em Barrancos, junto à fronteira com a Espanha, em nome da tradição, esta prática é mantida a despeito das leis.

Em julho, na Espanha, comemora-se a festa de São Firmino. Os touros são soltos pelas ruas da cidade e correm atrás das pessoas que os cutucam e os irritam. Essa corrida acaba nas "Plazas de Toros" onde todos são mortos.

Festas tradicionais deveriam ser o orgulho de um povo, não a sua vergonha!

Existe uma outra modalidade de tourada: onde o "corajoso" toureiro vai montado a cavalo.
Muitas vezes o toureiro sai ileso mas o cavalo morre.

"A tauromaquia é terrível e venal arte de torturar e matar animais em público, segundo determinadas regras. Traumatiza as crianças e adultos sensíveis. A tourada agrava o estado dos neuróticos atraídos por estes espetáculos. Desnaturaliza a relação entre o homem e o animal, afronta a moral, a educação, a ciência e a cultura."
Declaração da UNESCO 1980

Não será com a minha complacência que os meus filhos irão crescer numa nação onde homens que seviciam seres indefesos, desrespeitando a lei e os mais básicos padrões éticos e morais que se pretendem numa sociedade justa, solidária e civilizada, passam impunes, sendo mesmo aclamados como heróis e obreiros de uma tradição decrépita, teimosamente sustentada pela força de lobbies.

3 comentários:

Mente Hiperativa disse...

Deveria enfiar a lança no.... Toureiro!

Juliana Nakashima disse...

Acho que deveria fazer o que seria justo: Colocar o toureiro e todos os que são a favor dessa crueldade no lugar do pobre touro!!!!

Anônimo disse...

Você sabe os fundamentos da Tourada?