maio 01, 2008

Sherlock Holmes

Galera, apesar desse museu ser bem pequeno como o de Freud, eu me diverti bastante por la... Me senti o proprio Sherlock... Vejam porque... E ainda fiz amizade com um cara que parecia ator dentro do museu huahuahuahuahu...


Impedindo o crime. Conseguirei?


O que me diz caro `Watson`?

Pensando como resolver o misterio...




Em frente ao museu (casa onde morou Sherlock)



Um pouco da historia...


Sherlock Holmes é um personagem de ficção da literatura britânica criado pelo médico e escritor britânico Sir Arthur Conan Doyle. Holmes é um investigador do final do século XIX e início do século XX que aparece pela primeira vez no romance A Study in Scarlet (Um estudo em Vermelho) editado e publicado originalmente pela revista Beeton's Christmas Annual, em Novembro de 1887. Sherlock Holmes ficou famoso por utilizar, na resolução dos seus mistérios, o método científico e a lógica dedutiva.

Sir Arthur Conan Doyle fornece-nos informações esparsas sobre Holmes ao longo das suas diversas histórias. A cada nova aventura descobre-se uma nova e inesperada faceta do célebre detetive: fatos sobre a sua vida, família, manias, amigos e inimigos, as suas ansiedades a sua própria personalidade. Tudo o que se sabe sobre Sherlock Holmes foi retirado do conjunto dos livros onde é personagem, assim, o conjunto destes livros chama-se Cânone Sherlockiano. Segue abaixo um resumo destas informações.Holmes costuma ser uma pessoa arrogante, que está correta sobre inúmeros assuntos e com palpites certeiros. Doyle descreve um personagem como uma pessoa sem defeitos, apesar de Holmes apresentar alguns. Além do aspecto erudito, não demonstra muitos traços de sentimentalismo, preferindo o lado racional de ser. Apesar disso, em alguns contos o Dr. Watson diz que a "máscara gelada" de Holmes cai às vezes, dando mais humanidade a Sherlock Holmes.

Orgulhoso, parece dominar vários assuntos sem Doyle descrever seus estudos. Holmes apresenta alguns hábitos peculiares como a prática de boxe e o uso contínuo de cocaína (na época, a droga era legalizada)."...Sherlock Holmes pegou o frasco de cocaína no consolo da lareira e tirou a seringa de injeções hipodérmicas do estojo de marroquim. Com os dedos longos, brancos e nervosos ajustou a agulha delicada e arregaçou a manga esquerda da camisa..." - O Signo dos Quatro.

Além disso, diz-se que é um exímio violinista. Não vemos Holmes estudando sobre tudo, mas domina misteriosamente e incrivelmente uma vasta quantidade de assuntos do conhecimento humano.Segundo Conan Doyle, Sherlock Holmes viveu em Londres, num apartamento na 221B Baker Street, entre os anos 1881 e 1903 - durante o último período da época Victoriana -, onde passou muitos anos na companhia do seu amigo e colega, Dr. Watson. Hoje esse endereço é um museu dedicado a Sherlock Holmes.Sherlock Holmes descreve-se como um "detetive consultor", o que significa que as pessoas vêm-lhe pedir conselhos sobre os seus problemas, ao invés de se dirigir a elas. Doyle conta-nos que Holmes é capaz de resolver os problemas a ele propostos sem sair do seu apartamento, apesar de este não ser o caso em diversas de suas mais interessantes histórias, que requerem a sua presença in situ.

A sua especialidade é resolver enigmas singulares, que deixam a polícia desnorteada, usando a sua extrema faculdade de observação e dedução.Holmes demonstra, ao longo das suas histórias, uma capacidade de dedução e um senso de observação impressionantes, ajudados por uma cultura geral extensa e variada (ele é capaz de identificar a marca de um tabaco somente pelo seu cheiro e pela cor de suas cinzas). Químico e físico, adora fumar cachimbo e usa freqüentemente a cocaína para estimular as suas faculdades intelectuais ou matar o tédio entre um problema e outro (a cocaína só se tornará uma substância proibida em 1930), além de tocar esporadicamente violino. Quando envolvido com algum problema, pode passar noites sem dormir ou comer, o que inquieta o seu amigo Watson. Mestre na arte do disfarce, maneja com habilidade a espada e daria, segundo Watson, um bom pugilista.Outra de suas marcas registradas, a frase: "Elementar, meu caro Watson", é erroneamente creditada como criada pelo teatro e cinema. Entretanto, trata-se de uma das primeiras falas do personagem em seu romance de estréia Um Estudo em Vermelho(1887. No resto de toda a obra, a frase não torna a acontecer, aí sim tendo sido popularizada pelas adaptações das aventuras.

3 comentários:

Samara disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
MORRI %#$%#$%#%
AAAAAAAAAAH ERA PRA TU TER FILMADO DE PERTOOOOOOOO,MORRIIIIIII *-*
LINDO DEMAISSSSSSS! AI QUE INVEJAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Mari disse...

Hugo,

Parabéns pelas boas escolhas de suas visitas culturais. O mais que o elementar de Londres e da Europa, meu caro Hugo, realmente você vai conhecer tudo! UM BANHO DE CULTURA E INFORMAÇÃO para todos, pois sua viagem está sendo mesmo fantástica. O museu de cera é sensacional! Você é mesmo 10 (DEZ), Hugo! Beijos e saudades da tia que o ama! bye Maricélia

Bruniele disse...

Ai que lindo!!!
ficou mto lindinho de detetive!!!ehehehe...
e qnto conhecimento neh?Presente de Deus essa viagem!!gostei...